Quiosques de Praia Formentera 2024

 

Atualização e resumo

Vista desde el Kiosko de Bartolo en Es Copinar, Migjorn

Formentera, 26 de março de 2024
Num ambiente de crescente tensão, o Consell de Formentera encontra-se imerso num conflito institucional que reflete as divisões internas entre os membros da equipe de governo. Por um lado, os conselheiros de Sa Unió (PP + Compromís) e o atual presidente do Consell, Llorenç Córdoba, que foi cabeça de lista e candidato, conquistaram a maioria absoluta para governar a ilha há pouco mais de 9 meses.
Esta confrontação expôs fissuras muito graves na unidade do governo insular, levando a troca de acusações de chantagem, além da destituição por parte de Córdoba de um membro de sua equipe de governo, Jose Manuel Alcaraz.

Por outro lado, a decisão pendente sobre a adjudicação dos quiosques de praia desencadeou uma série de tensões em vários setores sociais e empresariais de Formentera. Com o prazo final de 26 de maio se aproximando, as interpretações divergentes sobre os resultados do concurso, iniciado em novembro de 2021, têm agravado as discrepâncias e acirrado os debates sobre transparência e equidade no processo de seleção. Diante deste cenário incerto, aguarda-se com expectativa a resolução do Consell Insular, enquanto a ilha permanece em suspense diante do iminente início da temporada turística.

Empresas melhor avaliadas no concurso
exigem transparência

Em fevereiro de 2024, sete das oito empresas melhor avaliadas no concurso de quiosques de praia de Formentera expressaram sua preocupação com a falta de transparência e o impasse no processo de adjudicação dos contratos. Através de um comunicado registrado junto ao Consell Insular, essas empresas solicitaram informações sobre as razões por trás do prolongado período de espera, que ultrapassa os dois anos desde o início em novembro de 2021.

Juanjo Costa, representante de uma dessas empresas, manifestou perante os microfones da Radioilla, seu desconcerto com a falta de progresso e qualificou a situação como opaca e carente de clareza. Embora a mesa de contratação tenha anunciado as propostas melhor avaliadas para a adjudicação dos lotes, o processo ainda não havia sido concretizado, o que gerou especulações sobre possíveis motivações políticas por trás do atraso.

Além disso, Juanjo Costa lembrou as condições estabelecidas pela Direção-Geral de Costas ao Consell de Formentera em maio de 2023, que estipulavam a instalação dos novos quiosques antes de 26 de maio de 2024. Diante da possibilidade de os antigos gestores continuarem explorando as concessões, as empresas melhor avaliadas no concurso advertiram que tomarão medidas legais e cautelares para proteger seus interesses.

Numa carta dirigida ao Consell, o assessor jurídico das empresas, Francisco Javier Jiménez de Cisneros Cid, destacou as possíveis responsabilidades civis e penais que poderiam recair sobre os responsáveis políticos e técnicos do Consell pela paralisação do concurso. Também foi mencionada a opção levantada pelo Consell de iniciar um novo concurso, o que foi recebido com críticas e advertências legais por parte das empresas afetadas.

Se estás a planear visitar Formentera... visita antes a nossa secção de códigos promocionais !!

Trabalhadores dos quiosques de praia em Formentera
expõem sua incerteza laboral

Durante o mesmo mês de março, vários funcionários com contratos de trabalho com os antigos concessionários dos quiosques de praia, quiseram dar a conhecer sua situação de incerteza laboral perante os microfones da Radioilla, expressando sua preocupação com o futuro de seus empregos devido ao impasse no concurso de quiosques de praia que está em curso desde o final de 2021 e ainda não foi resolvido.

Estes trabalhadores, que têm contratos de trabalho a termo certo descontínuos, apontaram a falta de clareza por parte do Consell de Formentera em relação à sua situação laboral em relação ao concurso de quiosques de praia. Manifestaram que a paralisação do concurso em 2022 os impediu de trabalhar durante seis meses da temporada, o que gerou ainda mais preocupação sobre a estabilidade de seus empregos e seus salários.

Além disso, destacaram que os termos do concurso não abordaram a continuidade das equipes, apesar da importância de seu trabalho e de seus direitos como trabalhadores. Consultadas fontes relacionadas com os antigos gestores de quiosques e as empresas melhor avaliadas no concurso, foi levantada a possibilidade de aplicar a sub-rogação dos trabalhadores para garantir sua continuidade laboral.

Por outro lado, os trabalhadores enfatizaram que o número de trabalhadores proposto nos projetos das empresas melhor avaliadas no concurso tornaria inviável cumprir o acordo trabalhista do setor de hotelaria.

Diante desta situação, os trabalhadores questionaram como essa sub-rogação seria realizada se as novas propostas para a gestão dos quiosques implicam uma redução no número de pessoal. Além disso, expressaram preocupação e dúvidas sobre a viabilidade de garantir um serviço contínuo durante todas as horas de sol com uma equipe mais reduzida.

Os antigos concessionários de quiosques advertem
sobre possíveis demandas

A rejeição dos antigos concessionários de quiosques a uma possível adjudicação de gestão a novos participantes no concurso de 2022 assumiu um tom mais contundente em 19 de março, quando um dos antigos concessionários fez uma advertência clara durante um programa ao vivo na Radioilla Formentera, sobre a resposta que oferecerão caso a Junta de Governo do Consell decida adjudicar a gestão desses estabelecimentos aos participantes com melhor pontuação no mencionado concurso.

Esta advertência de demanda penal se fundamentaria nas declarações recentes do presidente Llorenç Córdoba, que teria afirmado que um relatório encomendado à Fundação Universidade-Empresa da UIB desaconselha essa adjudicação.

Segundo o antigo concessionário, este relatório “oficial” deveria ser determinante nas decisões do Consell, pois, segundo ele, não existe nenhum outro relatório que o contradiga.
No entanto, é importante destacar que este relatório não tem caráter vinculativo, como destacou o apresentador do programa radiofônico.
Em qualquer caso, os antigos concessionários advertem que, caso a adjudicação seja realizada, apresentarão uma denúncia penal imediatamente.

Descontos em hotéis, apartamentos, aluguer de veículos, ferry desde Ibiza... e muito mais.

Segunda tentativa (falhida) de Córdoba
perante a Junta de Governo

Após uma primeira reunião da Junta de Governo em 22 de março, os conselheiros de Sa Unió, membros da equipe de governo do Consell de Formentera, votaram novamente contra a proposta do presidente da Corporação, Llorenç Córdoba, apresentada em uma reunião de Junta de Governo urgente na segunda-feira, 25 de março, onde se discutia a adjudicação do concurso dos oito quiosques de praia de Formentera. Esta decisão por parte dos membros de Sa Unió, do qual Córdoba fazia parte até ser expulso do grupo há apenas um mês, marca um acontecimento inédito na democracia local, evidenciando mais uma vez as divisões internas dentro da equipe de governo.

A proposta do presidente consistia em declarar deserto o concurso, apesar de contar com oito empresas como as melhor avaliadas pela mesa de contratação. Por outro lado, Sa Unió argumenta que seguir os critérios técnicos da mesa de contratação garantiria a continuidade do processo e a disponibilidade de quiosques para a temporada de 2024.

Os conselheiros de Sa Unió alertaram sobre os riscos legais da proposta do presidente, indicando que poderia resultar em uma demanda penal indefensável contra todos os membros da Junta de Governo. Questionaram a base jurídica e técnica da proposta de Córdoba, destacando a falta de motivação suficiente no parecer jurídico apresentado pelo presidente do Consell, que também é responsável pela Conselleria de Litoral.

Além disso, os membros de Sa Unió criticaram a falta de fundamentação sobre a legislação trabalhista aplicável e a ausência de jurisprudência que apoie a decisão de declarar desertos os lotes de quiosques.

Em última análise, Sa Unió argumenta que a proposta do presidente carece de clareza quanto ao interesse público e não aborda adequadamente as implicações trabalhistas e de contratação de serviços externos.
Diante dessas divergências dentro da equipe de governo, a decisão sobre o futuro dos quiosques de praia de Formentera permanece em um impasse.

Declarações de Llorenç Córdoba à imprensa

Ao finalizar a reunião da Junta de Governo, o presidente do Consell de Formentera, Llorenç Córdoba, apontou os conselheiros de Sa Unió pelo que considera um obstáculo no processo de adjudicação do concurso de quiosques, destacando um bloqueio por parte de seus ex-colegas de governo.

Córdoba expressou sua preocupação com essa situação, ressaltando que sua proposta de declarar deserto o concurso conta com um respaldo sólido de relatórios técnicos. No entanto, lamentou a falta de confiança por parte de Sa Unió na equipe de governo e no pessoal da instituição.

O presidente indicou que, apesar do bloqueio, buscará outras maneiras de garantir a presença de quiosques nas praias durante a temporada de verão de 2024, embora não tenha especificado qual será essa nova estratégia.

Córdoba também expressou sua preocupação com o impacto que essa situação está tendo em seu papel à frente da instituição, afirmando que as ações de Sa Unió não beneficiam nem o Consell nem os cidadãos de Formentera.

Diante da falta de progresso na Junta de Governo, Córdoba assegurou que continuará buscando alternativas legais para garantir a prestação do serviço durante o verão. Ele afirmou estar fazendo o máximo possível para superar o bloqueio e encontrar uma solução que atenda às necessidades da ilha.

Se estás a planear visitar Formentera... visita antes a nossa secção de códigos promocionais !!